top of page
Buscar

Ciclo de Krebs, em detalhes


O Ciclo de Krebs consiste em um processo catabólico que ocorre na matriz mitocondrial (apenas uma reação se dá em associação com a membrana interna da mitocôndria). Neste ciclo a célula oxida moléculas de acetil-CoA, resultante da Glicólise, que vimos no post anterior, sendo a energia libertada, conservada sob a forma de NADH e FADH2. O ciclo de Krebs é unicamente aeróbio, pois apesar de o O2 não participar diretamente no ciclo, o NAD+ e o FAD só podem ser regenerados na mitocôndria através da transferência de elétrons para o O2, na fase seguinte, a Cadeia Transportadora de Elétrons (ou Cadeia Respiratória). Se o principal objetivo da glicólise era gerar Piruvato (que é convertido em Acetil-CoA). esse Acetil-CoA entra na mitocôndria para sofrer as reações do Ciclo de Krebs, que tem como principal objetivo, oxidá-las para transferir elétrons para a redução de NAD+ e FAD+, gerando NADH e FADH2.

​Obs: É importante saber que o Ciclo de Krebs só vai se iniciar a partir da união do Acetil-CoA com o Oxaloacetato, gerando o Citrato. A transformação de Piruvato em Acetil-CoA (imagem) não faz parte do ciclo de Krebs. Repare que na transformação de Piruvato em Acetil-CoA é liberado uma molécula de CO2. Esse é o famoso gás carbônico liberado como resíduo da respiração. O processo que está ocorrendo (saída de gás carbônico) é chamada de Descarboxilação Oxidativa, reação esta que libera a energia que tornará possível a entrada da Coenzima-A, Também produz NADH + H+ a partir de compostos intermediários que oferecem elétrons. Esta reação é mediada pelo complexo enzimático Piruvato desidrogenase, que consiste num grupo de três enzimas e cinco coenzimas. É importante saber que: A piruvato desidrogenase é inibida pelo Mercúrio (Hg), prejudicando a respiração celular, e, portanto, reduzindo fortemente o metabolismo, devido à pouca energia disponível. Se, além de sofrer envenenamento por mercúrio, um indivíduo ingerir glicose, provavelmente ele terá uma alta de Piruvato e glicose, por incapacidade de metabolizar a glicose por completo. Nesse quadro, imagino que é possível uma hipertensão devido a esse acúmulo.

A próxima reação é a primeira reação do Ciclo de Krebs:

1ª Reação - Acetil-CoA + Oxalacetato > Citrato

Envolve a formação do Citrato (6C), a partir da união do Acetil-CoA (2C) e do Oxalacetato (4C). Daí vem o nome oficial do Ciclo de Krebs: Ciclo do Ácido Cítrico. A fonte de energia que vai tornar possível a ligação entre estes dois compostos se dá pela saída da Coenzima-A. Logo, podemos perceber que a entrada da Coenzima-A foi um investimento energético da célula, para que fosse possível a primeira reação do Ciclo de Krebs.

---